GAVILÁN 358 - O GAVIÃO ANDINO
INDUSTRIA AERONÁUTICA COLOMBIANA

 

         Roberto Portella Bertazzo, Bacharel em História pela Universidade Federal de Juiz de Fora, Membro da Sociedade Latino Americana de Historiadores Aeronáuticos – LAAHS.
   

 

 

 

          Apesar de seus problemas internos, a Colômbia, com o avião Gavilán 358, ingressou no pequeno grupo de países da América do Sul com capacidade de projetar e construir aeronaves.

          Este fato tem um grande significado do ponto de vista estratégico, para este país, sacudido por um cruel conflito interno desde a década de cinqüenta do século passado. O Gavilán 358 está dando sua contribuição para as forças armadas do seu país.

          A empresa fabricante do avião, a El Gavilán S/A, pertence ao Grupo Leaver, que atua há cinco décadas no mercado colombiano de aviação geral, executando serviços de venda e manutenção em aeronaves e motores, havendo montado aviões da linha Piper nas décadas de setenta e oitenta. A fábrica do Gavilán está localizada no Aeroporto Guaymaral, cerca de trinta quilômetros ao norte de Bogotá. Suas instalações são bastante funcionais e modernas,o que foi possível constatar in loco, quando fomos recebidos pelo Sr. James S. Leaver, Diretor da Empresa. A fábrica está dividida em dois setores, um para a fabricação dos aviões Gavilán, que inclui um galpão com a linha de montagem e outro para a manutenção de aviões e motores aeronáuticos, que presta serviços inclusive para a Aviação Naval Colombiana.

          O Gavilán foi projetado para ser uma aeronave destinada a cumprir muitas missões diferentes. Este avião opera tanto em uma remota pista de terra como em um congestionado aeroporto internacional, transportando tanto passageiros como cargas na sua cabine retangular com grandes portas. Sete passageiros e um piloto podem embarcar em poucos segundos, sendo que as bagagens são transportadas na área de carga na parte traseira da cabine.

          Se for necessário, os assentos de passageiros do Gavilán 358 podem ser removidos rapidamente para fornecer espaço extra para cargas. Na versão ambulância, o avião pode transportar quatro pacientes e um enfermeiro, além do piloto. O Gavilán 358 também pode ser equipado com máquinas fotográficas para cartografia. Sensores especiais, como FLIR pode ser adaptado para missões especiais. As portas largas fazem do Gavilán 358 um excelente avião para salto de pára-quedistas.

Apesar de sua construção simples, o Gavilán possui linhas elegantes. (foto autor) A ampla fuselagem pode ser apreciada nessa foto. (foto autor)
Vista aérea das instalações da fábrica no Aeroporto Guaymaral (foto El Gavilón S/A) A cabina do Gavilán é bastante ampla. O Sr. James S.Leaver no último assento. (foto autor)

 

PROJETO E CONSTRUÇÃO

          Para projetar o Gavilán, a fábrica reuniu o uso de técnicas modernas como o uso de programas CAD de computadores, e técnicas simples de construção, bem conhecidas e provadas para garantir a segurança do projeto. A fuselagem do Gavilán 358 é feita com uma estrutura de tubos de aço soldado e coberta por alumínio. As asas e os controles das superfícies são totalmente feitos de alumínio. As asas usam dois mastros e um braço externo para apoio, e se prende diretamente sobre a armação de fuselagem de aço. Medidas de prevenção contra a corrosão são utilizadas ao longo da aeronave.

          O trem de pouso triciclo é fixo e reforçado, projetado para operar desde pistas não preparadas. A roda de nariz é livre para rodar 360°, fazendo com que a aeronave seja muito manobrável no chão. O motor do Gavilán 358 é Lycoming turbocarregado, de 350HP.

          O Gavilán 358 foi certificado pela Administração de Aviação Federal com a certificação Part 23, emenda 46.

Aviões em diferentes estágios de produção. (foto autor) Um Gavilán 358 quase pronto. (foto autor)
Detalhe do painel de instrumentos. (foto autor) Linha de produção do Gavilán 358. (foto autor)

 

USO MILITAR

          O Gavilán é empregado pela Fuerza Aérea Colombiana, que possui cinco aeronaves e desde março de 2000, quatro já acumularam um total de 1700 horas de vôo. A maioria dos vôos foi em missões militares de ligação e transporte, operando em pistas precárias, na maioria das vezes.

          Os problemas apresentados pelas aeronaves foram mínimos e as melhorias necessárias derivaram destas experiências sendo incorporadas nas aeronaves em produção. Uma delas, por exemplo, envolveu a recolocação da bateria, fora do compartimento do motor, onde estava apresentando dificuldade devido às altas temperaturas.

          Os Gavilán 358 da FAC são voados intensamente, com uma média de utilização de 50 horas por mês.

          A Aviación Naval Colombiana possui três aviões do tipo, utilizados inclusive para patrulhas armadas sobre o mar, para reprimir o tráfico de drogas em pequenas embarcações. Para essas missões, uma metralhadora de .50 foi adaptada na cabine do avião que teve suas portas laterais removidas.

O Gavilán 358 Ambulância é muito eficiente. (foto El Gavilán S/A) Detalhe do interior da versão ambulância, podendo ser civil ou militar. (foto El Gavilán S/A)
A versão Ambulância pode lever além do piloto, quatro feridos e um emfermeiro. (foto El Gavilán S/A) Versão da Fuerza Aérea Colombiana camuflado. (foto El Gavilán S/A)

 

GAVILÁN COM RADAR

          Em Abril de 2000, para aumentar a segurança nas operações do avião, a Força aérea colombiana decidiu equipar sua frota com radares metereológicos RDR 2000. Um radome foi desenvolvido pelos engenheiros da Gavilán S.A. e foi instalado na asa.

          Já foram fabricadas cerca de quinze aeronaves Gavilán 358 e uma nova versão com turbinas está sendo desenvolvida, destinada a ser um competidor do Cessna Caravan, com custo muito mais acessível.

Avião da Fuerza Aérea Colombiana. (foto Carolina Chacón) Versão camuflada da Aviación Naval Colombiana. (foto Armada Colombiana)

 

OPÇÃO PARA O BRASIL?

          Com um alcance de 1368 km, com 30 minutos de reserva, e um compartimento de carga amplo, aliado a um baixo custo de aquisição e operação, o Gavilán 358 pode ser no futuro, um avião para operações no Brasil, em áreas afastadas como na Amazônia.

          Com características que lembram o Cessna Caravan, o uso militar destas aeronaves por parte do Brasil, poderia ser considerado, inclusive como uma compensação, para uma negociação dos Embraer ALX com o governo colombiano.

          A versão Turbo-hélice proposta para este avião também é muito interessante.

             Maqueta do Gavilán 358 turbo-hélice, versão ambulância. (foto autor)

 


FICHA TÉCNICA

Dimensões: Superfície alar: 19,25m
Envergadura: 12,80m
Comprimento: 9,14m
Altura: 3,41m
Altura estabilizador: 5,02m
Volume compartimento de carga: 0.5-90m3-kg
Motor: Textron Lycoming Model TIO-540W2A, turbo a pistão, 350hp, seis cilindros
Tripulação: Um piloto e sete passageiros
Autonomia: 880minutos
Combustível: 400 litros
Preço: US$379.000